OpenStreetMap

Diary Entries in Portuguese

Recent diary entries

Prédios rústicos

Posted by luisforte on 20 June 2018 in Portuguese (Português)

Levantamento e registo em OSM dos prédios rústicos do sudoeste do distrito de Évora e do noroeste do distrito de Beja. Não pretendendo ser um registo exaustivo, para tal existem as entidades oficiais, tem como objectivo permitir uma referenciação geográfica genérica fora das localidades. Os montes, mesmo que em ruínas (building:ruins), são assinalados , sendo que as herdades e hortas ficam assinaladas de modo menos preciso, não sendo sequer utilizado o centroide das mesmas, o que implica que estas propriedades não ficam facilmente delineadas nem fica registada a identificação dos seus limites (São identificadas com um ou mais pontos, com a tag place:farm ou landuse:farmyard)

aparecer a marcação de caminhos no mapa

Posted by Cartixa on 12 June 2018 in Portuguese (Português)

Como faço para aparecer marcado no mapa as rotas de caminhada e bik porque ja editei algumas e elas não aparecem

Cumps.

Mapear Luanda

Posted by a_jorge on 7 June 2018 in Portuguese (Português)

Boas, Vamos mapear Luanda, Viva!

Location: Mutamba, Kinanga, Município de Luanda, Luanda, 55A, Angola

Mapeamento em aula

Posted by Borini on 15 May 2018 in Portuguese (Português)

Hoje, na disciplina de Cartografia Escolar, iniciamos um mapeamento por áreas da Universidade Federal do Espírito Santo. Marcamos pontos, tiramos fotos georreferenciadas e fizemos trilhas, utilizando esta plataforma e o GPS Essentials, via celular.

Location: Goiabeiras, Região Administrativa VI - Continental, Vitória, Microrregião Vitória, Região Metropolitana da Grande Vitória, Mesorregião Central Espírito-Santense, Espírito Santo, Região Sudeste, Brasil

Locais onde falta mapeamento no Brasil - máscara KML para iD e JOSM

Posted by smaprs on 28 December 2017 in Portuguese (Português)

Está também disponível para download arquivo com máscaras KML de setores submapeados, para uso no iD e JOSM.
Contém os setores onde não há sequer 01 nó por habitante, "zero" (havendo habitantes no setor, conforme IBGE-Censo 2010).
Permite trabalhar com maior resolução dos limites, em menor escala. Fundidos perímetros de polígonos adjacentes.

Para download do arquivo DNH-zero-BR.zip, com os setores em KML, dividos pelas 5 regiões do Brasil,
clique aqui (via wiki), ou diretamente aqui (dropbox zip).

PASSO-A-PASSO para uso do KML no iD ou JOSMː
-Faça download do zip acima, contendo os KML das 5 regiões, e descompacte-o em uma pasta;
-Escolha o arquivo KML com a região do Brasil que você tenha interesse;
-Na tela de "edição" do iD (ou JOSM), no menu "Dados do Mapa", simplesmente arraste o arquivo KML para a tela (ou abra a pasta).
Prontoǃ
Basta identificar um setor submapeado, destacado na sua região de interesse, verificar e completar o mapeamento básico (como rede viária, etc).

NOTA: alguns destes locais destacados, como próximo de regiões metropolitanas, ao redor de capitais, representam setores muito pequenos, como do tamanho de uma única quadra, onde há habitantes. Isso quer dizer: dentro da área em si não há nada mapeado, como prédios (por isso constam como "zero nós"), mas pode já haver bom mapeamento da rede viária ao redor. Também pode acontecer que, da época em que foram contabilizados os nós OSM (Setembro/2017), até o momento atual, já tenha sido aumentado o mapeamento. Mas de modo geral não deve ainda ter alterado muito a situação.

Location: Canuanã, Microrregião de Rio Formoso, Mesorregião Ocidental do Tocantins, Tocantins, Região Norte, Brasil

Locais onde mais falta mapeamento no Brasil (Nodes/Habitantes)

Posted by smaprs on 26 December 2017 in Portuguese (Português)

Está disponível para download, para uso no JOSM, a
camada-mapa de "Nós-OSM por Habitante no Brasil",
desenvolvida a partir da contabilização do total de nós OSM no Brasil, e da Densidade Demográfica, por setores censitários, do Censo 2010 do IBGE.
Você pode fazer download:
aqui (via wiki), ou diretamente aqui (dropbox zip com imagem 3000px, previamente calibrada).

Propósito:
Ajudar a encontrar os locais menos mapeados no Brasil, proporcionalmente à densidade demográfica.
Isto é, a camada mostra graficamente, em um mapa do Brasil, a classificação dos locais (setores IBGE) conforme o índice adotado de "total de nós OSM" dividida pelo "total de habitantes", em cada um dos 316.574 setores censitários do Censo 2010 do IBGE.

O mapa resultante destaca os locais menos mapeados, isto é, com:
-menos de 01 nó por habitante (em vermelho);
-nem sequer 01 nó por habitante, "zero" (em amarelo).
(Ver legenda).

Colocada esta camada no JOSM (em sobreposição de transparência às demais imagens, como OSM e Bing), basta fazer zoom a um local de interesse e verificar ali o mapeamento, como a presença de habitações que faltam ser mapeadas, ou sua acessibilidade (rede viária).

PASSO-A-PASSO para uso no JOSMː
-Habilite o plugin JOSM/Plugins/PicLayer, no JOSM, em configurações / plugins;
-Abra a imagem no JOSM;
-Carregue o arquivo de calibragem (*.cal) da imagem: o posicionamento correto entrará automaticamente;
-Mova para o topo da lista de camadas (layers);
-Ajuste a opacidade (~50%) de modo a permitir visualizar as demais camadas de baixo.
Prontoǃ Basta buscar um local para mapear.

A documentação completa está em:
https://wiki.openstreetmap.org/wiki/Demografia_do_Brasil_como_auxiliar_no_OSM

Location: Canuanã, Microrregião de Rio Formoso, Mesorregião Ocidental do Tocantins, Tocantins, Região Norte, Brasil

Mapeamento das aldeias e lugares de Portugal

Posted by ViriatoLusitano on 23 December 2017 in Portuguese (Português)

Introdução

Em Portugal os aglomerados populacionais tendem a estar dispersos e não concentrados num único centro urbano. Várias destas aglomerações situam-se a vários quilómetros do centro da freguesia, que é a menor divisão administrativa em Portugal, tornando-se assim muito difícil encontrar estes sítios se não tivermos o nome que os habitantes locais usam para se identificarem.

https://i.imgur.com/SYExQ6O.jpg

Comparação entre centros populacionais. À esquerda um sítio com várias aglomerações satélites e à direita um sítio onde a população está concentrada. Fonte: Bing

Acredito que já repararam que não existe uma base de dados livre que contenha os nomes ( e especialmente os limites) dos milhares de pequenos aglomerados urbanos que existem em Portugal. Não ter este tipo de dados torna-se num problema quando se tenta procurar por eles para propósitos de navegação por GPS ou simplesmente para ver onde ficam no mapa.

Decidi, então, adicionar na base de dados do OpenStreetMap estes dados. Por esse motivo perguntaram-me como é que eu as mapeava. Ora, para facilitar a explicação, elaborei este guia para que assim possas também ajudar!

Nota: Por aglomerados urbanos refiro-me a aldeias, quando em meio rural, e a lugares, quando em meio urbano.

Preparação

Em primeiro lugar precisamos de ter o JOSM já que vamos lidar com importações. Também precisamos de ter instalado um plugin chamado OpenData que vai permitir abrir ficheiros shapefile (shp).

https://i.imgur.com/cF2YMI5.png

Em segundo lugar vamos utilizar os dados disponibilizados abertamente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mais especificamente os da Base Geográfica de Referenciação da Informação (BGRI). Estes dados contêm todos os lugares estatísticos que o INE utiliza durante os seus censos.

https://i.imgur.com/weBjWOq.png

Felizmente para nós os dados incluem o nome e limites das várias aldeias de Portugal. Também contêm informação de muitos lugares, mas não de todos — o que acontece é que, em zonas altamente urbanizadas e/ou inseridos dentro do perímetro de uma vila ou cidade, deixa de existir informação sobre o lugar.

Descarregar os dados

Voltando ao sítio do BGRI, temos a opção de descarregar os limites em todo o país, mas na minha opinião, e de maneira a facilitar o trabalho, recomendo descarregar ao nível mais pequeno, o do município.

https://i.imgur.com/rVJyccx.png

Vai ser descarregado um ficheiro arquivado .zip que posteriormente teremos de extrair para uma pasta.

https://i.imgur.com/yeOPWqy.png

Importação para o JOSM

No JOSM vamos primir as teclas Ctrl+O e seleccionamos o ficheiro com a extensão de .shp e esperamos um bocado enquanto decorre a importação.

https://i.imgur.com/AsfrL8J.png

Assim que terminar a importação vamos deparar com a seguinte situação:

https://i.imgur.com/ETGWWpB.png

Limpar os dados

Há muita informação que não nos interessa, por exemplo: códigos internos ou limites "residuais". Por isso de forma a que o nosso trabalho fique facilitado vamos remover tudo o que for "ruído".

Começamos por seleccionar todos os dados (Ctrl+A) e apagamos todas as etiquetas excepto as "LUG11" e "LUG11DESIG".

https://i.imgur.com/EqDqMUB.png

De seguida abrimos a janela de pesquisa (Ctrl+F) e escrevemos "residual" (não te preocupes com nenhum dos botões abaixo que por defeito já estão como queremos).

https://i.imgur.com/kqkV3Zq.png

Depois de seleccionados os dados que procuramos temos de os eliminar (Del).

https://i.imgur.com/JUjCIu1.png

Vai surgir uma janela a avisar que serão apagadas relações, elas não nos interessam por isso podemos confirmar a eliminação.

https://i.imgur.com/3vVMbeY.png

Agora queremos apagar o que forem linhas vazias já que não contêm nada, para tal abre novamente a janela de pesquisa e escreve "type:way untagged" e elimina o que aparecer seleccionado.

https://i.imgur.com/JUjCIu1.png

No final teremos os seguintes dados:

https://i.imgur.com/bZxkF6O.png

Agrupar as várias secções

Se seleccionarmos as linhas que existem, vamos reparar que há muitas com a mesma designação. Isto acontece porque nos dados do BGRI os lugares estão divididos em secções e para nós isto não nos interessam.

Para esse propósito temos de agrupar as várias secções com o nesmo nome/código numa só, assim revelando o verdadeiro limite das diversas aldeias e lugares.

Em primeiro lugar escolhemos uma linha (pode ser qualquer uma) e copiamos o código que está na etiqueta "LUG11".

https://i.imgur.com/j6MOkNK.png

Nota: Podes também copiar a designação, mas verifiquei que muitas vezes existe mais que um aglomerado com o mesmo nome num município e por isso não recomendo ir por este método.

Abrimos novamente a janela de pesquisa e colamos o código que copiamos. Após feita a pesquisa vamos ter a seguinte situação:

https://i.imgur.com/iLdvSHj.png

No passado havia um plugin chamado merge-overlap que facilitava o seguinte passo, mas este, no momento em que escrevo este guia, encontra-se inutilizável.

Por essa razão vamos por um método alternativo: traçamos uma linha que corresponda ao perímetro seleccionado. Se te esqueceres dos limites basta abrir novamente a janela de procura e inicia a pesquisa já que o código está memorizado.

Antes de traçarmos o perímetro, vamos primeiro copiar (Ctrl+C) ambas as etiquetas "LUG11" e "LUG11DESIG" para posteriormente as metermos na linha que irá ser criada.

https://i.imgur.com/6PLUZp8.png

https://i.imgur.com/F9zMZkN.gif

Feito o perímetro, vamos manter a linha seleccionada e colamos (Ctrl+V) as etiquetas "LUG11" e "LUG11DESIG" anteriormente copiadas. Depois copiamos o perímetro, criamos uma nova camada (Ctrl+N) e colamos o perímetro na mesma posição (Ctrl+Alt+V).

https://i.imgur.com/5xvGq4F.png

Para terminar vamos simplificar a linha (Shift+Y).

Importar os dados do OSM

Vamos agora descarregar os dados do OSM (Ctrl+Shift+↓).

https://i.imgur.com/ap2OA2X.png

De forma a facilitar a visualização dos mesmos sugiro aplicar o seguinte filtro com as opções que estão expostas na imagem abaixo:

boundary=administrative | place=* | ICC=Portugal | LUG11=*

https://i.imgur.com/fFXIKa6.png

Para utilizar a ferramenta de filtro basta a seleccionar no seguinte menu:

https://i.imgur.com/3VliCrH.png

Confirma que está activado e no modo inverso.

Adicionar a relação e etiquetas

Primeiro vamos criar a relação com as seguintes etiquetas e depois vamos incluir na relação a linha e o nó que representa o "centro" da aglomeração:

  • name=Póvoa
  • bgri:code=018494
  • place=neighbourhood
  • border_type=lugar
  • boundary=administrative
  • admin_level=10
  • source=INE - BGRI 2011
  • type=boundary

https://i.imgur.com/e8re5Wh.png

https://i.imgur.com/dhA77Oo.png

A negrito estão as três etiquetas que mudarão dependente da aldeia/lugar que estamos a tentar inserir, as outras serão sempre as mesmas em qualquer das situações.

No caso de "place=*" temos de ter em consideração o contexto do aglomerado:

  • Se estiver perto de outros (ou até dentro de um perímetro urbano) então é "place=neighbourhood" (lugares, bairros, urbanizações, etc.)
  • Se estiver longe de outros então é "place=hamlet" (aldeias)
  • Se for uma quinta/herdade então é "place=farm" (este último é um tanto raro)

Para a linha vamos atribuir a função de "outer" e para o nó a função de "admin_centre".

Feito isto, aceitamos a relação.

Para terminar vamos seleccionar novamente a linha que define o aglomerado (e a relação) e vamos atribuir as seguintes etiquetas:

  • admin_level=10
  • border_type=lugar
  • boundary=administrative
  • source=INE - BGRI 2011

Não esquecer de apagar as etiquetas "LUG11" e "LUG11DESIG".

Toques finais e envio para o OSM

De forma a que esteja devidamente organizada, recomendo incluir a relação recém-criada na relação da freguesia a que pertence da seguinte maneira:

  1. Averiguar a freguesia que este aglomeração faz parte (neste caso é a freguesia extinta do Vale de Remígio)
  2. Seleccionar a relação recém-criada na lista de relações (os dados ficaram a rosa)
  3. Procurar pela freguesia (ou freguesia extinta) na lista de relações e clica no botão "editar"
  4. Adiciona a aldeia/lugar seleccionado ao fundo da relação, atribuindo-lhe a função de "subarea"
  5. Confirmar a edição

Também é preciso ver se o nó contém a informação correta, isto é, que tenha o mesmo nome que a relação da aglomeração e mesmo tipo de "place=*".

Feito isto tudo, temos agora duas opções: ou enviamos o que foi feito para o OSM ou repetimos o processo para outro aglomerado.

Se repetirmos o processo podemos copiar a relação e adaptar-la de modo a poupar tempo.

Sem mais nada a referir, deixo aqui uma amostra do que poderão fazer, bom trabalho!

https://i.imgur.com/3G4zTti.png

Casos Excepcionais

  • Se o aglomerado se situa em duas ou mais freguesias (ou freguesias extintas) então criamos uma relação para cada uma sem que tenha a tag "place=*", no final cria uma nova relação que vai corresponder ao lugar/aldeia (exemplo).

Routing

Posted by luisforte on 12 October 2017 in Portuguese (Português)

Acrescentar toponimia, fazer correções e ajustes a permissões de trânsito, sentidos, faixas e inserção de semáforos. Objectivo, obter um roteamento rodoviário correcto em Alvito, Torrão, Évora, Vila Nova da Baronia, Odivelas, Oriola, São Bartolomeu do Outeiro, Alcaçovas, Vila Ruiva, Alfundão, Peroguarda, Viana do Alentejo, São Manços, São Brissos, Vila de Frades, Alcaria da Serra, Vera Cruz e Valverde. Validação e testes com OSRM

Concentração de 2/3 da população total do Brasil em 1/5 dos municípios

Posted by smaprs on 9 September 2017 in Portuguese (Português)

Conforme estimativa populacional IBGE 2017:
Os 1.114 Top 20% municípios (1/5 dos 5.570 no Brasil) em densidade demográfica de 66,36 a 12511,59 hab/km2.
O somatório da população estimada destes é: 137.988.243 habitantes, 66,4% da população total estimada do Brasil, de 207milhões.
2/3 da população do Brasil estão nestes municípios, destacados no mapa abaixo.

Isso significa que nestas pequenas áreas do Brasil devem estar cerca de 2/3 das vias residenciais e similares, Pontos de Interesse (POIs), construções, e tudo o mais relacionado ao mapeamento urbano.
Não significando obviamente que o restante 1/3 do Brasil não necessite.
Para questão do mapeamento de áreas urbanas, densamente povoadas, o mapa abaixo indica possibilidades de foco.

Fonteː
Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2017
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2017/estimativa_dou.shtm

Location: Crixás, Microrregião de São Miguel do Araguaia, Mesorregião Noroeste Goiano, Goiás, Região Centro-Oeste, Brasil

uMap: 3D Modelos Digitais de Elevação

Posted by smaprs on 26 June 2017 in Portuguese (Português)

Alguns modelos 3D que fiz com QGIS, plugin Qgis2threejs (https://plugins.qgis.org/plugins/Qgis2threejs/), NASA SRTM, imagens de várias fontes (créditos no modelo e/ou metadados), mais alguns dados do OSM, mapeados no uMap.

Alguns modelos podem demorar um pouco para carregar (de 6 a 12MB).

http://umap.openstreetmap.co/m/1095/

Alt text

Location: 0.000, 0.000

Mapeando lugares históricos em Jacaraípe, Serra - ES, Brasil

Posted by Henrique Pires on 25 May 2017 in Portuguese (Português)

Usando o site "veracidade.com.br" é possível visualizar as modificações no espaço físico ao longo do tempo através de um mapa. Visualizei uma área do meu bairro que não existe mais, é um lago que hoje grande parte do mesmo está aterrado, inclusive nota-se que essa área é uma área de constantes alagamentos. Então, usando a plataforma OSM, marquei essa mesma área no mapa atual, descrevendo-a e rotulando como um lugar histórico.

Location: Residencial Jacaraípe, Região de Jacaraípe e Manguinhos, Serra, Microrregião Vitória, Região Metropolitana da Grande Vitória, Mesorregião Central Espírito-Santense, Espírito Santo, Região Sudeste, Brasil

Mapeamento Colaborativo de Jacaraípe - Meu lugar através de fotos

Posted by Henrique Pires on 6 April 2017 in Portuguese (Português)

A foto foi tirada no dia 14/03/2017 ás 17:58. Final da tarde de um dia quente (máxima de 35ºC) e ensolarado. A foto trata de um morro com bastante árvore e algumas casas no meio. O propósito era tirar uma foto de algum lugar de Jacaraípe (Serra-ES) que ninguém saberia que local é, que bairro etc... Lagoa de Jacaraípe, Serra, Es, Brasil

Location: Lugar onde foi tirado a foto, Lagoa de Jacaraípe, Região de Jacaraípe e Manguinhos, Serra, Microrregião Vitória, Região Metropolitana da Grande Vitória, Mesorregião Central Espírito-Santense, Espírito Santo, Região Sudeste, Brasil

Edição de Figueiró da Serra

Posted by Francisco Caldeira on 4 March 2017 in Portuguese (Português)

Edição parcial do edificado de Figueiró da Serra

Location: Figueiró da Serra, Gouveia, Guarda, Serra da Estrela, Centro, 6290-071, Portugal

Não consigo editar

Posted by Cartixa on 30 January 2017 in Portuguese (Português)

Não sei o motivo de naõ conseguir editar

HOT Task Manager para a comunidade portuguesa

Posted by Jorge Gustavo Rocha on 23 December 2016 in Portuguese (Português)

HOT Task Manager 2

Temos uma instalação do HOT Task Manager 2 para a comunidade portuguesa, em língua portuguesa (obrigado aos tradutores do HOT).

Já há pelo menos 3 mapeadores com permissões de "administrator" que podem dar permissão de "project manager" a quem precisar. Quem quiser criar um projeto, passe um email na nossa lista Talk-PT que um dos administradores faz isso.

Esta ferramenta é muito interessante para apoiar mapping parties.

Bom trabalho!

Location: Cidreiro, Vila de Rei, Castelo Branco, Pinhal Interior Sul, Centro, Portugal

Valados novo

Posted by luisbalves on 19 December 2016 in Portuguese (Português)

Caminhada de três quilómetros.

Location: Ponta Delgada (São José), Ponta Delgada, São Miguel, Açores, Portugal (águas territoriais)

Diário de Mapeamento Colaborativo - 08/11/2016

Posted by Jan Victor on 8 November 2016 in Portuguese (Português)

Meu Nome é Jan Victor participo de Iniciação Ciêntifica Viculada a FAPES com foco em Mapeamento Colaborativo, hoje discutimos sobre assuntos relacionados a gastos do dinhero do bolsista, lanches colaborativos, camisa de indentificações, fizemos o mapeamento da escola em cima e em baixo e depois emocional. Discutimos sobre o filme Caramuru que retrata um pouco sobre mapas da antiguidade, e por fim relatorios do nosso dia.

Diário de mapeamento colaborativo - 08/11

Posted by Deivid Júnior on 8 November 2016 in Portuguese (Português)

Olá,

Meu nome é Deivid Júnior, sou estudante da escola Jacaraípe, Serra ES - Brasil, e faço parte do projeto "Mapeamento Colaborativo" vinculado à FAPES em parceria com a UFES. No dia de hoje, tivemos uma discussão em cima do filme brasileiro " Caramuru " em relação à questão de mapas com uma visão geográfica e histórica em geral. Comparamos os tipos de mapas, formas de mapeamentos e o mapa criado desde 1970 à 2012. Mapeamos nossa escola de várias formas e à analisamos em questões físicas, emotivas e sociais.

Diário de Mapeamento Colaborativo 1

Posted by Henrique Pires on 8 November 2016 in Portuguese (Português)

Meu nome é Henrique Pires, e participo do Programa de Iniciação Científica Junior.

Debatemos sobre um filme (Caramuru) que me fez refletir sobre aquilo que vemos e acreditamos e se é real. Certamente o debate foi concluído com temas de cartografia, sobre os primeiros mapas em comparação aos atuais feitos por satélites. Contudo, praticamos com o espaço ao nosso redor e fizemos um tipo de mapa (emotivo e descritivo) e concluímos que tudo ou maior parte das coisas se baseiam nas dúvidas e no espaço em que vivemos.

08 de Novembro de 2016.

Ajuda

Posted by cpires on 4 November 2016 in Portuguese (Português)

Alguém sabe o nome das duas linhas de água que atravessam a vila de Aveiras de Cima?

Location: Casais das Comeiras, Azambuja, Lisboa, Lezíria do Tejo, Alentejo, 2050, Portugal